No silêncio da noite...


Há sempre um cachorro latindo ao longe;
Há sempre um carro á caminho do horizonte; 
Há sempre uma luz acesa;
Há sempre alguém voltando de uma festa surpresa. 

Há sempre um bebê chorando;
Há sempre um turno de um segurança;
Há sempre um vestibulando
Que não perdeu a esperança.

Há sempre um relatório pra fazer;
Há sempre um filme passando na TV;
Há sempre alguma oração;
Há sempre alguém com insônia de paixão.

Há sempre um Romeu&Julieta, assim bem juntinhos;
Há sempre um, dois ou três passarinhos no ninho;
Há quase sempre um gato sobre o muro ao luar; 
Há sempre o barulho das ondas do mar.

Há sempre um arquiteto buscando inspiração;
Há sempre um caderno e lápis na mão;
Há sempre não um, mas, dois amantes amando-se um ao outro.

Há sempre um faminto abrindo a geladeira;
Infelizmente, há quase sempre um desistente na beira;
Há sempre alguém com resfriado;
Há sempre alguém sonhando acordado.

Há sempre uma música tocando;
E a noite já acabando;
Há sempre um bêbado caindo;
E o dia logo vem surgindo.

E então você espera por mais algumas horas,
E se surpreende novamente com o que a noite reservou.
Talvez esse seja o segredo da noite:
Ela é imprevisível





Deixe um comentário